Quando me dei conta, éramos seis finlandeses, cinco finlandesas e eu, todos pelados dentro da sauna.

– Vocês não têm vergonha de ficar nus? – perguntei.

– Como assim, vergonha? Por quê? ­– indagou incrédula minha amiga.

– No Brasil, nós não fazemos isso geralmente.

– Eu já vi todos os meus amigos e amigas pelados. É comum. Não existe duplo sentido. Tomar sauna desse jeito é muito bom e nadar no lago pelada é melhor ainda.

Trecho do filme finlandês "Vapor de uma vida"

Ir à sauna é praticamente uma religião na Finlândia. Para se ter ideia, o país tem mais saunas que habitantes. As crianças começam a frequentar esse habitat antes mesmo de começarem a andar. O calor da sauna, que varia de 50 a 100 graus Celsius, contrasta com os 40 graus negativos que o país chega a enfrentar durante o inverno.

Foi assim que passei um dos dias mais aguardados do ano pelos finlandeses: na sauna, no lago e em uma casa literalmente no meio da floresta. Em 24 de junho, eles comemoram um feriado chamado Juhannus. Para efeito de comparação, a data só perde em importância para o Natal. É a celebração do dia mais longo do ano, que nem sempre ocorre naquele dia por razões “intergalácticas”. Em inglês, o feriado tem o inexplicável nome de mid-summer (meio do verão, em português). O curioso é que ele acontece no início do verão. Nesta época do ano, o céu nunca fica completamente escuro. Durante 21 horas, às vezes até mais, o que se vê é um céu completamente claro. Mais ao norte da Finlândia, na Lapônia, o Sol nunca se põe durante vários dias do verão.

Lago no qual mergulhamos

A Finlândia é um país peculiar. Apesar de ter uma área bastante grande, possui apenas 5 milhões de habitantes. Cerca de 75% do território é tomado por florestas densas e fechadas. Piscinas não são necessárias por aqui, já que no meio de todo esse verde estão espalhados quase 190 mil lagos, de todos os tamanhos e formas possíveis.

Esta cartografia, somada ao hiper desenvolvimento econômico e social, ocasiona outro fato ainda mais impressionante. Praticamente toda família finlandesa tem, além de uma boa casa na cidade, uma casa de verão na beira de um lago. Por opção, muitas dessas casas não têm acesso à energia elétrica e água encanada. Obviamente, todas têm sauna. A casa em que eu fiquei durante quatro dias, em Luumäki (2,5h de Helsinki, a capital) com um grupo de 20 jovens finlandeses era exatamente assim.

Tìpica casa de verão finlandesa onde fiquei hospedado

O propósito da sauna na Finlândia é relaxar os músculos, socializar com os amigos, beber muito e cantar. No último festival de documentários “É Tudo Verdade”, em São Paulo, assisti a um filme finlandês que, em português, tem o título de “Vapor da Vida”. No filme, eles retratam a importância da cultura de tomar sauna na vida deste povo. Pude comprovar que a paixão deles por aquelas paredes de madeira e pelo forno a lenha que produz vapor é imensurável.

Pelas florestas finlandesas

Enquanto tomava sauna, fiquei imaginando como seria se no Brasil eu tentasse reunir amigos e amigas e propusesse que todos ficassem pelados para uma sessão de sauna. Inconcebível, creio eu. Claro que um ou outro aceitaria, mas a esmagadora maioria não toparia.

– Por quê? – me perguntei.

A resposta para a negativa pode estar na importância que o brasileiro, assim como outros muitos povos, dá para a obtenção do corpo perfeito. O que vi na Finlândia é que ninguém liga para isso. Barriga, celulite, estria, seja lá o que for: todos têm e ninguém está preocupado com isso. Ninguém tem vergonha disso. Por isso, é tão natural para eles ficar pelado. Mas claro que nas saunas públicas homens e mulheres ficam em ambientes separados.

Post especialmente dedicado ao Michel, grande amigo e leitor mais assíduo deste site, que frequenta saunas no Brasil há muito anos.

Anúncios